Baião Cozinha Nordestina chega à Vila Madalena

Baião Cozinha Nordestina chega à Vila Madalena

por Claudio Schapochnik

Numa das esquinas mais movimentadas da Vila Madalena (Zona Oeste de São Paulo), na esquina das ruas Fradique Coutinho com Inácio Pereira da Rocha, o restaurante Baião Cozinha Nordestina inaugurou a terceira casa na capital paulista. A abertura oficial ocorreu ontem (quinta-feira, dia 8/7), e a reportagem do Que Gostoso! esteve presente. Os dois outros estabelecimentos ficam no Pacaembu, também na Zona Oeste, e no Centro de Tradições Nordestinas, no Bairro do Limão, na Zona Norte.

A abertura é uma boa, visto que há uma pandemia de Covid-19 que fez muitas vítimas fatais no setor da Restauração Brasil afora e também na Vila Madalena.

No alto um dos pratos mais pedidos da casa, a carne de sol e, acima, o salão do novo Baião na Vila Madalena (fotos Claudio Schapochnik/Que Gostoso!)
Trio musical nordestino em cerâmica: artesanato por toda a casa
Painel digital, balcão e a bodega, onde é possível comprar produtos de comer e beber típicos do Nordeste

O novo Baião ocupa um imóvel com um salão bem grande, onde ficam as mesas, os banheiros, um palco para apresentações musicais e a cozinha. Tudo muito colorido, dinâmico e com guarda-chuvas do frevo pernambucano pendurados em parte do teto.

No salão, duas partes têm o teto retrátil. Ideal para abrir nos dias de sol e calor e, à noite, para dar uma refrescada no ambiente. A decoração é baseada na arte do cordel, uma referência à origem do restaurante, e há ainda objetos do folclore nordestino por todos os lados. Destaques para um retrato enorme e bem bonito do rei do baião sorrindo, o músico Luiz Gonzaga (1912-1989), e um painel digital bem em cima do bar.

A nova casa tem ainda um balcão com ostras frescas e uma bodega, onde os clientes podem comprar produtos de comer e beber e utensílios, como a cuscuzeira, típicos do Nordeste.

O painel que retrata Luiz Gonzaga
O painel digital da casa, que mostra a porção de acarajé aperitivo
Porção de pastéis de carne seca com queijo coalho e geleia de pimenta: delícia!
Restaurante também serve ostras

Os garçons e as garçonetes, bem atenciosos, se vestem de uniformes caracterizados de Lampião e Maria Bonita. A capacidade de atendimento chega até 120 pessoas, seguindo as regras de distanciamento necessárias atualmente por causa da pandemia.

Com entrada pela rua Inácio Pereira da Rocha, o Baião tem um pequeno salão reservado para as pessoas que desejam um lugar mais intimista e sem a música ao vivo. Segue a mesma decoração e o cardápio. É possível ainda retirar acarajés e tapiocas no balcão. O restaurante também monta mesas nas calçadas.

Espaço mais reservado, sem música, que fica na rua Inácio Pereira da Rocha
Mais peças decorativas artesanais nordestinas na casa
A entrada do espaço mais reservado, com as pinturas ao estilo de cordel

MENU
Assinado pelo chef Joaquim Souza, O cardápio da casa segue o mesmo das demais casas: petiscos, entradas, pratos principais e sobremesas típicas do Nordeste, seja do sertão ou do litoral. Tudo servido com fartura. Para beber, há drinques, cervejas, caipirinhas, sucos e outras bebidas.

Entre outras opções há baião de dois, moqueca e ensopados, acarajé, carne de sol (há versões que levam picanha e filé mignon), carne seca na nata, rabada, feijão de corda, bobó de camarão e frutos do mar.

A garçonete Mônica, que serviu os mini acarajés aos convidados da abertura oficial do restaurante
Mais pastéis com o vinagrete da casa: bom demais!
A moqueca de peixe que comi: chegou fumegante à mesa
O menu da noite de ontem

No happy hour, boas dicas são as porções de mini acarajé e pastéis de carne seca com queijo coalho e de bobó de camarão. Todos muitos bons se acrescentados da pimenta da casa.

Na noite de ontem, dentro do cardápio da celebração de inauguração, comi a moqueca de peixe, que estava muito boa. Já provei a mesma na unidade do Pacaembu. Também provei o baião de dois. Excelente sabor e bem temperado. Para beber fui de cerveja tipo pilsen. Tudo estava muito bom.

O baião de dois com a carne de sol e suco
A logomarca da casa
O sócio da filial do Centro de Tradições Nordestinas e gerente de Operações dos três restaurantes, Oscar Morais, José Lourenço e o filho, Júnior Lourenço, sócio das três casas, na noite da abertura na Vila Madalena

Apenas o volume do som das bandas que se apresentaram no local precisa ser bem mais baixo. Na noite de ontem, enquanto tocavam, não dava para conversar. Era só o som parar que dava para bater papo numa boa. É necessário encontrar o bom senso. Só isso.

Trata-se de uma casa linda, com bom atendimento e pratos que retratam os vários sabores do Nordeste, servidos fartamente e com beleza aos olhos. Recomendo.

Espaço para as mesas na calçada e a pintura estilo cordel na parede
Dadinho de tapioca e outros acepipes com cerveja, que foram servidos na inauguração
Camila e Ângela Karam, ambas jornalistas do site Turismo SA e minhas amigas, e eu posando no painel da casa: ótimo reencontro

SERVIÇO:
Restaurante Baião Cozinha Nordestina
Rua Fradique Coutinho, 888, Vila Madalena, São Paulo/SP
Abre diariamente para almoço e jantar
Há serviço de entrega e retirada
Instagram

Deixe uma resposta