Brunch do Hyatt SP é um arraso de ótimo

por Claudio Schapochnik*

Frequento profissionalmente o Grand Hyatt São Paulo desde praticamente a inauguração deste magnífico hotel em 2002, localizado na Zona Sul da capital paulista. O empreendimento é fruto de um investimento argentino-estadunidense à época de US$ 100 milhões, respectivamente, do Grupo Liberman e da família Pritzker, de Chicago — dona da Hyatt Hotels Corporation e criadora do prêmio de maior prestígio da arquitetura mundial. Foram muitas vezes que fui ao belo prédio para lançamentos, entrevistas coletivas e eventos — sobretudo corporativos e também do próprio Grand Hyatt, como festas e festivais gastronômicos. Hospedagem? Sim, um final de semana há bastante tempo. Uma maravilha. A vez mais recente foi para provar um produto da área de Alimentos e Bebidas: o Sunday Brunch, que começou no final de 2020. Minha avaliação em uma só palavra: sensacional! Nos próximos parágrafos vou te contar como foi e o que provei.

Fui com minha esposa ao Sunday Brunch no final de fevereiro passado, portanto antes da entrada na chamada Fase Roxa, a mais severa do Governo do Estado de São Paulo no enfrentamento à pandemia de Covid-19. Depois de pouco mais de dois meses, com as medidas de flexibilização adotadas, a refeição volta neste domingo (9/5), Dia das Mães, e seguirá nos demais domingos.

No alto a travessa de conchiglione de bacalhau e chardonnay e, acima, meu prato com agnolotti, risotto à parmegiana e cordeiro braseado (fotos Claudio Schapochnik/Que Gostoso!)
Mesa com opções de doces do Sunday Brunch
Cardápio de opções à la carte e também dentro do valor do brunch

Na entrada do Espaço EAU (água, na tradução do francês para o português), que antes era o (muito bom) restaurante francês do Grand Hyatt, a recepcionista deu as boas-vindas e ofereceu uma taça de espumante. Ela também explicou os procedimentos de prevenção do novo coronavírus para o público no EAU: máscara o tempo todo — exceto na mesa — e os atendentes é que servem as pessoas de todos os itens do bufê. E assim foi.

Sim, o brunch no hotel é no sistema de bufê e à vontade — dividido em ilhas temáticas, como pratos quentes, área oriental, doces etc. Prefiro brunch desta forma: tudo pronto (ou quase tudo, pois há itens que são preparados na hora) e só escolher e comer. Sou fã. Em relação às bebidas, estão inclusos no valor vinhos tinto e branco e espumante. Demais bebidas alcoólicas ou não, se consumidas, são pagas a parte.

Bowl de mexilhões
Coquetel de camarão

CAFÉ DA MANHÃ
Nos primeiros pratos peguei itens mais ligados ao café da manhã, como frios (presunto cru e salame picante, ambos muito bons), queijos e um ovo beneditino (torrada com ovo pochê e molho holandês) — este do cardápio de opções à la carte do brunch, com ainda ovo florentino, waffle, panqueca e três tipos de carnes grelhas (picanha, fraldinha e chorizo). Só pra reforçar: estes itens à la carte não são cobrados à parte.

Meu prato com queijos, frios e tomates
A bela peça de presunto cru: delícia
O ovo beneditino: perfeito com bacon bem sequinho

Vale destacar que na área de queijos, o Grand Hyatt ofereceu duas opções da queijaria Pardinho, com sede na cidade homônima no interior paulista. Muito bom ver o hotel prestigiar um pequeno produtor regional artesanal. Várias marcas de queijos brasileiros artesanais de pequenos produtores, sejam de vaca, ovelha, búfala e cabra, estão ganhando cada vez mais prestígio e consumidores porque de fato são deliciosos, como os Pardinho, que já conhecia de uma feira, e produzidos seguindo as normas oficiais de higiene e qualidade.

O hotel acertou em cheio em colocar os queijos Pardinho no bufê. Que assim seja com outros itens de outros pequenos produtores artesanais.

As opções de queijo Pardinho, do interior de São Paulo
Salmão cru com gengibre
O gostoso poke de atum, pepino e manga

Na estação oriental fui buscar o lindo salmão cru (ótimo, que comi e repeti com creme fresco e gengibre) e o poke de atum (com manga, bastante bom). Sim, havia outras opções como mexilhões e camarões.

PRATOS DE ALMOÇO
No bufê as opções de pratos quentes eram muito boas e variadas, pois havia massas e arroz, e, em relação às proteínas de origem animal, peixe (bacalhau) e cordeiro. Combinado com as carnes bovinas servidas à la carte, esse mix proteico agradou.

Provei um pouco de cada e todos estavam muito, mas muito bons. O conchiglione de bacalhau e chardonnay… Nossa! A massa, na forma de concha (daí o nome), estava coberta em abundância por um creme com lascas do peixe e tomates-cereja. Prato leve e extremamente saboroso.

O cordeiro braseado com cenouras derretia na boca. Estava bem temperado e caiu bem com o correto risotto à parmegiana.

Close do fantástico conchiglione de bacalhau e chardonnay
O cordeiro braseado

Havia uma outra massa, o agnolotti de camembert na manteiga de ervas e castanhas. Simplesmente maravilhoso! Massa leve também, bem recheada e que se harmonizou com a manteiga incrementada. Senti ainda um leve sabor doce. Será que a receita levou mel? Me pareceu. Bem, seja como for, agradou bastante.

Como deu pra perceber, meus destaques foram para o conchiglione de bacalhau e chardonnay e o agnolotti de camembert na manteiga de ervas e castanhas. Bravo!

O maravilhoso agnolotti de camembert na manteiga de ervas e castanhas
Salada de palmito, tomate e cogumelo champignon

SOBREMESAS: INFLUÊNCIA FRANCESA
É necessário deixar espaço para provar as sobremesas do Sunday Brunch. Há várias opções, sendo que muitos têm influência da confeitaria francesa.

Não deu pra provar todos. Comecei com o profiterole recheado com sorvete e, a gosto, uma série de coberturas. Booom demais!

Depois provei os docinhos, como a sensacional torta de nozes com cobertura de doce de leite, a Ilha Flutuante (creme sem ser muito doce, comeria vários… Rs…) e um feito com suspiro, manga e creme. Havia outras opções com chocolate (Bolo Fudge) e outras frutas, como o morango no cheesecake.

Pedaço da torta de nozes com doce de leite
Doce de suspiro, creme e manga
O profiterole recheado de sorvete com calda de chocolate e amêndoas

Nossa, no geral, foi uma refeição muito, mais muito saborosa e agradável, com pratos de qualidade, bem apresentados, muito gostosos e, muito importante atualmente, num ambiente seguro em relação à pandemia de Covid-19.

Super recomendo o Sunday Brunch do Grand Hyatt São Paulo.

O doce Ilha Flutuante: fiquei fã
Travessa com pedaços de Bolo Fudge
Travessa de cheesecake

Observação: Os pratos que relatei e descrevi neste texto poderão estar ou não nas próximas edições da refeição do hotel.

*A reportagem do Que Gostoso! almoçou a convite do Grand Hyatt São Paulo

SERVIÇO:
Grand Hyatt São Paulo — Sunday Brunch
Espaço EAU
Avenida das Nações Unidas, 13.301, Brooklin, São Paulo/SP
Aos domingos, das 13h às 16h
Valores: R$ 260/adulto e R$ 130/criança
Para comprar o acesso ao Sunday Brunch, clique aqui

Deixe uma resposta