São Roque (SP) pode ter produção orgânica de uva

São Roque (SP) pode ter produção orgânica de uva

DA SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Pesquisador da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo desenvolve projeto para viabilizar a produção de uva orgânica no município de São Roque. Os trabalhos são conduzidos na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). O objetivo é disponibilizar conhecimento e tecnologia para que os agricultores produzam suco de uva e vinho orgânicos de alta qualidade.

Segundo o pesquisador da APTA Regional — São Roque, Sebastião Wilson Tivelli, a pesquisa tem sido conduzida desde 2017 em conjunto com o Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque (Sindusvinho), o Instituto Federal (IF) e a Prefeitura da Estância Turística de São Roque. “Finalizamos agora a primeira etapa do estudo, que identificou que é possível a produção de uvas orgânicas na cidade”, afirma o pesquisador.

O resultado foi possível após a avaliação de quatro cultivares de uva na produção orgânica por dois anos consecutivos. “Avaliamos neste primeiro momento quatro cultivares: a IAC 517, desenvolvida pelo Instituto Agronômico, Bordô, Isabel Precoce e BRS Lorena. Dessas, apenas a BRS Lorena não se mostrou adequada para a produção orgânica no município”, explica Tivelli.

A segunda etapa do projeto prevê a realização de experimentos para testar outras cultivares de uva, mais produtivas. A ideia é oferecer uma gama de opções aos produtores de uva da região. “A terceira etapa do estudo avaliará a parte econômica desse sistema de produção. Queremos saber se produzir uva dessa maneira é viável economicamente e se o produto final chega ao consumidor em uma faixa de preço adequada para os visitantes da cidade”, diz o pesquisador, reforçando que o município é reconhecido pelo turismo rural, mantendo a chamada Rota do Vinho, em que os visitantes podem conhecer vinícolas e degustar vinho e suco de uva produzidos localmente.

Para Fernando Pereira Leite, presidente do Sindusvinho, o projeto conjunto destas quatro frentes possibilita, além das pesquisas e geração de novas tecnologias e variedades de uvas, a retomada da cultura dos vinhedos em São Roque. “São Roque já foi tomada por videiras, e em função de vários aspectos como o clima, valorização imobiliária e dificuldade de mão-de-obra, a cidade perdeu muito espaço de plantação de uvas. O projeto das uvas orgânicas vem justamente para retomar esta cultura histórica de São Roque. E produzirmos sucos e vinhos com uvas naturais daqui”, explica Leite.

No alto (foto GerhardG/Pixabay) e acima (foto NickyPe/Pixavay), uvas de várias espécies

MAIS QUALIDADE
De acordo com o pesquisador da APTA Regional, a busca dos produtores e da pesquisa não é apenas viabilizar a produção de matérias-primas orgânicas com alto valor agregado, mas viabilizar a produção de uvas com alta qualidade para o processamento. “Uvas de qualidade, com porcentagem adequada de acidez e brix, por exemplo, resultam em vinho e suco de qualidade superior, por não precisar adicionar açúcar na sua produção. Isso é uma demanda dos produtores que estamos atendendo”, afirma.

A avaliação da qualidade do produto final é possível graças à parceria com o Instituto Federal, que mantém no município o curso de enologia. “Esse estudo também só é possível graças ao Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque, que além de financiar as pesquisas, nos aproxima dos agricultores. É importante destacar que outros produtores, que não são ligados ao sindicato, podem ter acesso aos estudos e seus resultados”, diz Tivelli, que reforça a importância da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento da APTA Regional no Município. “Esta unidade de pesquisa possui mais de 90 anos. Ela foi criada, justamente, para estudar a produção de uva e, hoje, com esse projeto, volta a atender a essas demandas”, afirma.

PRODUÇÃO DE UVAS
O Estado de São Paulo produz 10,4% da uva no Brasil, ficando atrás do Rio Grande do Sul (45,3%) e de Pernambuco (29,6%), segundo dados da safra de 2019. De acordo com Tivelli, para a produção de vinho e suco de uva, São Roque utiliza uvas, principalmente, do Rio Grande do Sul. “Com esse projeto de pesquisa queremos aumentar o PIB do agro paulista, aumentando o cultivo de uva em São Roque e em todo o Estado. O cultivo de vinhedos em São Paulo tem alto potencial de agregação de valor e aumento da arrecadação do ICMS”, afirma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s